Pesticides [Updated April 2010]

Originally Posted April 2010 with contributions from ECWG members

VERSÃO EM PORTUGUÊS (por Jaqueline Lis Lupion e Luana Muriel Casarolli)

INTRODUCTION

Pesticides comprise a large group of chemicals used as insecticides, herbicides and fungicides. Human exposure may occur: (a) in occupational settings such as during their industrial production and farming-associated use, (b) when used for cosmetic grass maintenance in homes, parks and golf courses, and (c) through ingestion of polluted water and food. Chemically, major classes of pesticides include organochlorines and organophosphates, important to distinguish as they may differ regarding their acute and chronic toxic properties in humans. Given the large diversity of pesticides, it is not possible or appropriate to generalize their health effects, including potential associations with cancer in humans. In this regard, research efforts have focused on specific chemicals that have showed carcinogenic properties in experimental models. There are many human studies addressing links between pesticide exposure and different cancers, the analysis of which is often limited by the large variety of human cancer types, the long period that may happen between exposure and cancer diagnosis, and the certainty that exposed humans are likely concurrently affected by many pesticides.

BEST EVIDENCE RESEARCH STUDIES

Using PubMed, we searched for all systematic reviews and meta-analytic studies that synthesized the many primary research studies addressing links between pesticide use and human cancer. The search strategy used included “pesticides” as a Medical Subject Heading (over 118,000 publications) and was limited only to “meta-analysis” resulting in only 147 publications. Screening of these allowed the identification of the studies listed below. The publications found were individually reviewed and jointly summarized by our Environment & Cancer Working Group. The following publications were appraised:

PESTICIDES AND LEUKEMIA

Turner et al., 2010. Residential pesticides and childhood leukemia: A systematic review and meta-analysis. Environmental Health Perspectives 118(1):33-41. This is the most updated study asking how pesticide exposure in children and mothers before and during pregnancy may affect the risk of childhood leukemia. It is based on 17 case-control studies that included leukemia in children and young adults up to 20 years of age and addressed outdoor and indoor exposure to pesticides. Exposure in all these studies was assessed only by surveying parents and not by measuring exposure. Childhood leukemia was significantly increased when pregnant women reported being exposed at home to pesticides (odds ratio 1.54, data from 11 studies), insecticides (odds ratio 2.05, data from 8 studies) and herbicides (odds ratio 1.61, data from 5 studies). These associations were stronger for children who developed acute lymphoblastic leukemia, when mothers reported to use pesticides themselves and for indoor use. Childhood exposure to pesticides, and specifically to insecticides, were also associated with increased risk of developing leukemia (odds ratios 1.38 and 1.61, respectively). [Summarized by Otto Sanchez].

Wigle et al., 2009. A systematic review and meta-analysis of childhood leukemia and parental occupational pesticide exposure. Environmental Health Perspectives 117(10):1505-1513. A study by the same Ottawa group as above (Turner et al., 2010) which complements it by focusing on parents working with pesticides and includes a total of 31 research studies. Overall, the authors did not find an association between occupational pesticide exposure to fathers and risk of leukemia in their children. However, when mothers were occupationally exposed to pesticides in farm-related activities before birth, there was an increase in risk of childhood leukemia (odds ratio 2.1-2.2). These associations were stronger for children who developed two common types of leukemia, namely, acute lymphoblastic leukemia (ALL; odds ratio 2.6) and acute myeloblastic leukemia (AML; odds ratio 2.6). [Reviewed by Otto Sanchez]

Van Maele-Fabry et al., 2008. Risk of leukaemia among pesticide manufacturing workers: A review and meta-analysis of cohort studies. Environmental Research 106:121-137. This meta-analysis examined the risk of leukemia associated with occupational exposure to pesticides, specifically focusing on workers involved in the manufacturing processes of these chemicals. It included 14 cohort studies from workers in various European countries and the United States of America. The results of the meta-analysis found that these pesticide manufacturing workers showed significantly increased risk of developing leukemia (1.43 ratio), especially those working with phenoxy herbicides (1.60 ratio). These associations were stronger for workers who developed leukemias of myeloid origin (6.99 ratio). [Reviewed by Jay Gill]

Van Maele-Fabry et al., 2007. A systematic review of myeloid leukemias and occupational pesticide exposure. Cancer Causes and Control 18:457-478. This article performed a systematic review and meta-analyses of 17 cohort and 16 case-control studies to determine if a potential association exists between myeloid leukemias (ML) and occupational pesticide exposure. In the end, for all cohort studies combined there was a slight (but not significant) overall increased risk for development of ML due to occupational pesticide exposure (Pooled rate ratio 1.21, 95% CI 0.99-1.48). The greatest risk for ML was found for individuals who worked as manufacturing workers (Rate ratio 6.32, 95% CI 1.90–21.01) and as pesticide applicators (Rate ratio 2.14, 95% CI 1.39-3.31). Associations were significantly stronger for workers who developed acute myeloid leukemia (Rate ratio 1.55, 95% CI 1.02-2.34). Inconsistencies in the overall results meant that the authors could not generate a solid conclusion as to whether or not a relationship existed between myeloid leukemia and overall occupational pesticide exposure. In the end, some evidence about the association between occupational pesticide and ML is brought forward in this article, but further study is needed to develop a more definitive answer and to generate greater evidence to support this association. [Reviewed by Jennifer Hepworth]

PESTICIDES AND LYMPHOMA

Merhi et al., 2007. Occupational exposure to pesticides and risk of hematopoietic cancers: Meta-analysis of case-control studies. Cancer Causes and Control 18:1209-1226. To our knowledge, this is the only study examining the risk of workers potentially exposed to pesticides to develop all types of hematopoietic cancers, including lymphomas, multiple myeloma, leukemias and myelodysplastic syndromes. The studies analyzed included workers diagnosed with any type of hematopoietic cancer between 1979 and 2003 in the United States of America, Australia, European countries and China. Synthesis of a total of 13 case-control studies revealed a positive and significant association between occupational exposure to pesticides and all hematopoietic cancer (1.33 odds ratio). Of all cancer types, the risk of developing Non-Hodgkin lymphoma was significantly increased (1.35 odds ratio). [Reviewed by Dana Thambiraj]

PESTICIDES AND BREAST CANCER

Khanjani et al., 2007. Systematic review and meta-analysis of cyclodiene insecticides and breast cancer. Journal of Environmental Science and Health Part C 25:23-52. This study focused on environmentally prevalent organochlorine insecticides known for their liposolubility, persistence in the human body particularly in fat-containing tissues, carcinogenicity by some in animal models and xenoestrogenic activity. It only included studies in which pesticides were measured in the blood or fat tissue of women with breast cancer. Meta-analysis of 21 case-control such studies, which analyzed ten pesticides and over 3,700 women with breast cancer, did not reveal significant associations between pesticide levels and breast cancer, except for heptachlor. For this particular insecticide, two studies from Italy and India including 305 women with breast cancer, together revealed significantly higher heptachlor levels in women with breast cancer than controls (geometric means ratio 5.32). [Reviewed by Otto Sanchez]

Lopez-Cervantes et al., 2004. Dichlorodiphenyldichloroethane burden and breast cancer risk: A meta-analysis of the epidemiologic evidence. Environmental Health Perspectives 112(2):207-214. The main metabolite of the insecticide dicholorodiphenyltricholoethane (DDT) is p, p’ –dichlorodiphenyldichloroethane (DDE). This meta-analysis included 22 case-control studies, published between 1993 and 2001, in which DDE levels in the serum and adipose tissue in over 4,500 women diagnosed with breast cancer were compared with women without breast cancer as controls. It included both retropective and prospective studies, as well as community- and hospital-based studies. Taken together, DDE levels did not correlate with development of breast cancer (summary odds ratio 0.97). This lack of correlation was not affected by the methodologies used to determine DDE levels, the specimen used or the type of case-control study. Despite the lack of positive association between p,p’ – DDE levels and breast cancer risk, the authors suggested that further research is necessary in areas such as the risk of developing adult breast cancer if exposed to DDT during the critical periods of development. [Reviewed by Sara Mannan]

PESTICIDES AND PROSTATE CANCER

Van Maele-Fabry et al., 2006. Review and meta-analysis of risk estimates for prostate cancer in pesticide manufacturing workers. Cancer Causes and Control 17:353-373. This meta-analysis synthesized studies addressing potential risks of developing prostate cancer for men who work in the pesticide manufacturing industry. It summarized original research studies published up to August 2004 and was based on a total of 18 cohort studies of workers in various European countries and the United States of America. Overall, it found a significantly increased risk of developing prostate cancer in pesticide manufacturing workers (odds ratio 1.28) and particularly in plants producing phenoxy herbicides (odds ratio 1.50). This important observation was limited by the lack of studies that accurately assess pesticide exposure in these workers. [Reviewed by Rima Karam]

Van Maele-Fabry and Willems, 2004. Prostate cancer among pesticide applicators: A meta-analysis. International Archives of Occupational and Environmental Health 77:559-570. This is a meta-analysis of seven case-control and fifteen cohort studies spanning a large time period, from 1966 to 2003, focusing on the risk of developing or dying from prostate cancer in occupational categories with a potentially large exposure to pesticides. Specifically, the authors identified nursery and greenhouse workers, pesticide applicators, farmers with a license to use pesticide, and employees of spraying companies as their occupational categories of interest. Relative risk (RR) estimates varied between 0.61 and 2.38, with nine estimates showing a negative association between the groups of interest and development of prostate cancer, and thirteen RR estimates reporting a positive association. Taken together, the studies revealed a meta-rate ratio of 1.24 which indicates an increase in risk of developing prostate cancer in the occupational categories of interest. Despite this observation, the authors advise against establishing causality between exposures to pesticides and prostate cancer in face of observed weak strength of associations, inconsistencies from study to study, a multi-factorial aetiology of prostate cancer, mixed results for dose-response relationships and a temporal relationship that cannot be fully assessed. [Reviewed by Irina Levit]

WHAT DO THESE STUDIES TELL US?

Exposure to pesticides is of concern to humans as these diverse chemicals can elicit acute and chronic toxic effects. Potential links between pesticide exposure and human cancer have been studied epidemiologically and experimentally. The research synthesis studies reviewed above focused on meta-analysis of case-control and cohort studies addressing correlations with childhood and adult leukemia, Non-Hodgkin lymphoma, breast and prostate cancer. Despite the fact that most of these studies do not specifically eliminate confounding factors and do not measure actual pesticide levels, residential exposure to pesticides appears to be linked with increased incidence of leukemia in children, especially when their pregnant mothers are exposed. As well, occupations in the pesticide manufacturing industry and involving pesticide application activities increased the risk of developing leukemia in their workers, particularly when working with phenoxy herbicides and showing a stronger association with myeloid leukemia types.

Occupational studies are important as they reflect effects in groups of workers with more homogeneous environments than the community at large, serve as sentinels for pesticides exposures in larger communities and show more obvious effects as workers are likely exposed to higher concentrations of undissolved chemicals than in the community. The studies reviewed above identified associations between occupational exposure to pesticides and development of Non-Hodgkin lymphoma and prostate cancer.

Lastly, breast cancer incidence was not epidemiologically associated with exposures to ten organochlorine pesticides or with measured levels of DDE, a primary metabolite of the insecticide DDT. The only exception was with heptachlor, in which meta-analysis of two studies including over 300 women with breast cancer revealed higher levels of this insecticide in women with breast cancer. We will continue updating this information as these results are challenged by new similar studies.

USEFUL ONLINE RESOURCES

Pesticides and Cancer – Canadian Cancer Society

Pesticides- California Department of Public Health

Pesticides- Environmental Protection Agency, USA

 VERSÃO EM PORTUGUÊS

INTRODUÇÃO

Pesticidas compreendem um grande grupo de produtos químicos utilizados ​​como inseticidas, herbicidas e fungicidas. A exposição humana pode ocorrer: (a) no ambiente de trabalho, tais como durante a sua produção e o uso na agricultura, (b) quando usado para a manutenção de grama artificial em casas, parques e campos de golfe, e (c) através da ingestão de água contaminada e alimentos. Quimicamente, as principais classes de pesticidas incluem organoclorados e organofosforados, sendo importante diferenciar suas propriedades tóxicas agudas e crônicas em seres humanos. Dada a grande diversidade de pesticidas, não é possível ou apropriado generalizar seus efeitos para a saúde, incluindo as possíveis associações com câncer. Com isso as pesquisas têm-se focado em produtos químicos específicos que têm mostrado propriedades cancerígenas em modelos experimentais. Há muitos estudos associando a exposição a pesticidas e diferentes tipos de câncer, a análise que é limitada pela grande variedade de cânceres humano, o longo período entre a exposição e o diagnóstico de câncer, e a grande variedade de pesticidas pelos quais os humanos são expostos.

PRINCIPAIS EVIDÊNCIAS DOS ESTUDOS

Através do site de busca PubMed, pesquisamos todas as revisões sistemáticas e estudos de meta-análise que sintetizam os primeiros estudos sobre as ligações entre o uso de pesticidas e câncer humano. A pesquisa realizada incluiu “pesticidas” como um título (mais de 118.000 publicações) a qual foi limitada apenas a “meta-análise”, resultando em apenas 147 publicações. Essa triagem permitiu a identificação dos estudos abaixo. As publicações encontradas foram analisadas ​​individualmente e resumidas em conjunto pelo Grupo de Trabalho do Câncer. As seguintes publicações foram avaliadas:

PESTICIDAS E LEUCEMIA

Turner et al, 2010 pesticidas residenciais e leucemia infantil: Uma revisão sistemática e meta-análise. pPerspectivas de Saúde amibental 118 (1) :33-41. Este é o estudo mais atualizado, o qual inclui o seguinte questionamento: A exposição de pesticidas em crianças e mães antes e durante o período gestacional podem aumentar o risco de leucemia infantil?. Ele é baseado em 17 estudos de caso controle que incluiu leucemia em crianças e jovens até 20 anos de idade e aborda a exposição à pesticidas em ambientes abertos e fechados. A exposição em todos estes estudos foi avaliada apenas por meio de levantamento dos pais e não através da medida de exposição. A leucemia infantil aumentou significativamente quando as mulheres grávidas relataram ter sido expostas a pesticidas em casa (taxas 1,54, os dados de 11 estudos), inseticidas (taxas 2,05, os dados de oito estudos) e herbicidas (taxas 1,61, os dados de cinco estudos). Esta associação foi mais fortes para crianças que desenvolveram leucemia linfoblástica, quando as mães relataram o uso doméstico de pesticidas. Exposição a pesticidas na Infância, especificamente, aos inseticidas aumentam o risco de desenvolver leucemia (taxas 1,38 e 1,61, respectivamente). [Resumido por Otto Sanchez].

Wigle et al., 2009. Uma revisão sistemática e meta-análise de leucemia infantil e exposição a pesticidas no trabalho dos pais. Perspectivas de Saúde Ambiental 117 (10) :1505-1513. Um estudo realizado pelo mesmo grupo de Ottawa como citado acima (Turner et al., 2010), relatam queos pais que trabalham com pesticidas, incluem um total de 31 estudos. Em geral, os autores não encontraram uma associação entre a exposição a pesticidas no trabalho dos pais e risco de leucemia em seus filhos. No entanto, quando as mães foram profissionalmente expostas a pesticidas antes do nascimento, houve um aumento no risco de leucemia infantil (taxas 2,1-2,2). Estas associações foram mais fortes para as crianças que desenvolveram dois tipos comuns de leucemia, ou seja, a leucemia linfoblástica aguda (LLA; taxa de 2.6) e leucemia mieloblástica aguda (LMA; taxa de 2.6). [Avaliado por Otto Sanchez]

Van Maele-Fabry et al, 2008 Risco de leucemia entre os trabalhadores de fabricas de pesticidas: Uma revisão e meta-análise de estudo de grupos. Pesquisa Ambiental 106:121-137. Esta meta-análise examinou o risco de leucemia associado à exposição ocupacional aos agrotóxicos, com foco em trabalhadores envolvidos nos processos de fabricação destes produtos químicos. Foram incluídos 14 estudos de grupo de trabalhadores em vários países europeus e nos Estados Unidos. Os resultados desta meta-análise concluiram que estes trabalhadores apresentaram um aumento significativo no desenvolvimento do risco de leucemia (relação de 1,43), especialmente aqueles que trabalham com herbicidas phenoxy (índice 1,60). Associação mais forte para os trabalhadores que desenvolveram leucemia mielóide (relação 6,99). [Avaliado por Jay Gill]

Van Maele-Fabry et al., 2007. Uma revisão sistemática de leucemias mielóides e exposição a pesticidas ocupacional. Causas e Controle do Câncer 18:457-478. Este artigo realizou uma revisão sistemática e meta-análise de 17 grupos e 16 estudos de caso de controle para determinar a associação entre leucemia mielóides (LM) e exposição a pesticidas ocupacionais. Combinando todos os estudos de grupo houve um pequeno (mas não significativo) aumentou do risco para o desenvolvimento do LM, devido à exposição a pesticidas no trabalho (taxa de combinada de 1,21, 95% CI 0,99-1,48). O maior risco para a LM foi encontrada para os indivíduos que trabalhavam como operários nas fábricas (Taxa de 6,32, IC 95% 1,90-21,01) e, como aplicadores de pesticidas (taxa de 2,14, 95% CI 1,39-3,31). Associações foram significativamente mais forte para os trabalhadores que desenvolveram leucemia mielóide aguda (taxa de 1,55, 95% CI 1,02-2,34). Inconsistências nos resultados fizeram com que os autores não pudessem gerar uma conclusão sólida sobre há existência ou não de uma relação entre leucemia mielóide e exposição aos pesticidas ocupacionais. Algumas evidências sobre a associação entre pesticidas e LM ocupacional são citadas neste artigo, mas é preciso mais estudos para desenvolver uma resposta definitiva e para gerar maior evidência apoiando esta relação. [Avaliado por Jennifer Hepworth]

AGROTÓXICOS E LINFOMA

Merhi et al, 2007 A exposição ocupacional a pesticidas e risco de câncer hematopoiéticos: Meta-análise de estudos de caso de controle. Causas do Câncer e Controle 18:1209-1226. Este é o único estudo que examina o risco de trabalhadores expostos a pesticidas e o desenvolvimentos de todos os tipos de cânceres hematopoiéticos, incluindo linfomas, mieloma múltiplo, leucemias e síndromes mielodisplásicas. Os estudos analisaram os trabalhadores com diagnóstico de qualquer tipo de câncer hematopoiético entre 1979 e 2003 nos Estados Unidos, Austrália, países da Europa e da China. Síntese de um total de 13 estudos de caso de controle que revelaram uma associação positiva e significativa entre a exposição ocupacional aos agrotóxicos e os cânceres hematopoiéticas (probabilidade de 1,33 ). De todos os tipos de câncer, o risco de desenvolver linfoma não-Hodgkin foi significativamente maior (probabilidade de 1,35). [Avaliado por Dana Thambiraj]

Khanjani et al., 2007. Revisão sistemática e meta-análise de inseticidas ciclodienos e câncer de mama. Jornal da Ciência Ambiental e Saúde C 25:23-52. Este estudo consistiu em analisar inseticidas organoclorados prevalentes no ambiente e conhecidos por sua lipossolubilidade, persistência no corpo humano particularmente nos tecidos que contêm gordura, carcinogenicidade em alguns animais e atividade xenoestrogenic. Incluindo apenas estudos em que os pesticidas foram medidos no sangue ou tecido adiposo de mulheres com câncer de mama. Uma meta-análise com 21 casos de controle, analisaram dez pesticidas e mais de 3.700 mulheres com câncer de mama, não revelando associação significativa, com exceção de heptacloro. Para este inseticida em particular, dois estudos da Itália e da Índia, incluindo 305 mulheres com câncer de mama, revelou significativamente níveis elevados de heptacloro em mulheres com câncer de mama do que com os controles (média geométrica 5,32). [Avaliado por Otto Sanchez]

Lopez-Cervantes et al, 2004 carga Diclorodifenildicloroetano e risco de câncer de mama: Evidência epidemiológica de uma meta-análise. Perspectivas Ambientais da Saúde 112 (2) :207-214. O principal metabólito do inseticida diclorodifenildicloroetano (DDT) é p, p ‘- diclorodifenildicloroetano (DDE). Esta meta-análise incluiu 22 estudos de caso de controle, publicados entre 1993 e 2001, em que os níveis de DDE no soro e tecido adiposo em mais de 4.500 mulheres diagnosticadas com câncer de mama foram comparados com mulheres sem câncer de mama. Ambos estudos retrospectivos e prospectivos foram incluidos, tanto na comunidade como nas base de estudos hospitalares. Em conjunto, os níveis de DDE não se correlacionam com o desenvolvimento de câncer de mama (taxas de 0.97). A baixa correlação não afetou metodologias utilizadas para determinar os níveis de DDE, a amostra utilizada ou o tipo de estudo de caso de controle. Apesar da falta de associação positiva entre p, p ‘- DDE e os níveis de risco para câncer de mama, os autores apontam a necessidade de novas pesquisas em áreas como o risco de adultos desenvolverem câncer de mama, se forem expostos ao DDT durante os períodos de desenvolvimento. [Avaliado por Sara Mannan]

AGROTÓXICOS E CÂNCER DE PRÓSTATA

Van Maele-Fabry et al., 2006. Revisão e meta-análise de estimativas de risco para o câncer de próstata nos trabalhadores de fabricas de pesticidas. Causas do Câncer e Controle 17:353-373. Esta meta-análise abordou os riscos de desenvolver câncer de próstata em homens que trabalham nas indústrias de transformação de pesticidas. Foram resumidos artigos originais publicados até agosto de 2004, baseado em um total de 18 estudos de grupo de trabalhadores em vários países europeus e nos Estados Unidos. No geral, foi constatado alto riscos de desenvolver câncer de próstata nos trabalhadores de fabricas de pesticidas (taxas de 1,28) principalmente em fábricas produtoras de herbicidas phenoxy (taxa de 1,50). Esta pesquisa foi limitada pela falta de estudos que avaliem com precisão a exposição desses trabalhadores à pesticidas. [Avaliado por Rima Karam]

Van Maele-Fabry and Willems, 2004 Câncer de próstata entre aplicadores de pesticidas: Uma meta-análise. Arquivos Internacionais de Saúde Ocupacional e Ambiental 77:559-570. Esta é uma meta-análise contendo sete estudos de grupo e quinze casos de controle abrangendo um período, entre 1966 a 2003, com foco no desenvolvimento e morte pelo câncer de próstata em categorias profissionais com grande exposição a pesticidas. Os autores identificaram como categoria de profissões os trabalhadores de viveiros, estufas, aplicadores de pesticidas, agricultores com uma licença de uso de pesticidas, e funcionários de empresas de pulverização. O risco relativo (RR) variaram entre 0,61 e 2,38, com nove avaliações mostraram uma associação negativa entre os grupos de interesse e desenvolvimento de câncer de próstata, outras treze avaliações relataram uma associação positiva. Em conjunto, os estudos revelaram uma taxa de 1,24 o que indica um aumento no risco de desenvolver câncer de próstata nas categorias ocupacionais incluidas. Apesar desta pesquisa, os autores não aconselham estabelecer ligações entre a exposição a pesticidas e câncer de próstata devido a inconsistência dos estudos, a etiologia multifatorial do câncer de próstata e a mistura dos resultados para encontrar uma relação que não pode ser totalmente avaliada. [Avaliado por Irina Levit]

O QUE OS ESTUDOS NOS MOSTRAM

A exposição a pesticidas é motivo de preocupação para os seres humanos como estes diversos produtos químicos podem provocar efeitos tóxicos agudos e crônicos. Ligações entre à exposição a pesticidas e câncer humano foram estudadas epidemiologicamente e experimentalmente. As sínteses de pesquisas revisada acima focaram em estudos de meta-análise, casos de controle e grupos de estudos, abordando a relação com a leucemia , linfoma não-Hodgkin, câncer de mama e de próstata na infância e vida adulta. Apesar dos estudos não medirem níveis reais de pesticidas, a exposição residencial à pesticidas parece estar ligado com o aumento da incidência de leucemia em crianças, especialmente quando suas mães se expoem na gestação. Assim, os tabalhadores em indústrias de agrotóxicos e que se envolvem em atividades de aplicação de pesticidas tem um risco maior de desenvolver câncer, especialmente quando se trabalha com herbicidas phenoxy o qual apresenta uma forte ligação leucemia mielóide.

Estudos ocupacionais são importantes, pois refletem efeitos em grupos de trabalhadores com ambientes mais homogêneos do que a comunidade em geral, servem como exemplos em comunidades devido a exposição aos pesticidas e apresentam consequências devido ao trabalho no qual se expoem a concentrações elevadas de produtos químicos. Os estudos revisados ​​acima identificaram associações entre exposição ocupacional a agrotóxicos, desenvolvimento de linfoma não-Hodgkin e câncer de próstata.

Por fim, a incidência de câncer de mama não foi epidemiologicamente associado com a exposição aos dez pesticidas organoclorados ou com os níveis medidos de DDE, um metabólito primário do inseticida DDT. A única exceção foi com heptacloro, em que meta-análise de dois estudos, incluindo mais de 300 mulheres com câncer de mama revelaram níveis mais elevados deste inseticida em mulheres com câncer de mama. Continuaremos atualizando estas informações como estes resultados e buscando novos estudos .

RECURSOS ONLINE UTILIZADOS

Pesticidas e Câncer – Sociedade Canadense de Câncer

Pesticidas- Departamentos de Saúde Pública da Califórnia

Pesticidas- Agência de Proteção Ambiental, EUA

 

  1. No comments yet.

You must be logged in to post a comment.